fbpx
Tratamento Acústico para Estúdios2019-08-14T05:45:38+00:00

Project Description

ESTÚDIOS DE ENSAIO E GRAVAÇÃO

Para garantir o conforto e sossego nos ensaios e gravações, sem se preocupar em incomodar os vizinhos ou vazar som para outras salas.

ACÚSTICA NA MEDIDA CERTA

É primordial que estúdios, sobretudo de ensaio e gravação, tenham um excelente tratamento acústico, a fim de que o ruído externo não interfira no estúdio, e nem o ruído gerado no estúdio incomode os vizinhos ou não soe agradável — e, com base nesses dois pontos, isolamento e absorção, é que daremos nossas dicas.

Lembrando que é mais fácil e barato projetar a acústica de uma sala no início da obra, ao invés de fazer a acústica depois do estúdio pronto; por isso, se este for o seu caso, confira também nossas dicas sobre o local ideal para um estúdio.

ISOLAMENTO

O local a ser transformado ou construído em sala de ensaio e gravação deverá ter laje, cujo isolamento médio é de 40 dB(A), dependendo da espessura e estrutura que foi construída. Caso não tenha laje, deverá ser feito forro triplo em Drywall com lã de 50mm e aplicação de borracha anti vibração, atingindo isolamento similar ao da laje.

Se o local for em um prédio comercial, o cuidado é com os vizinhos de cima, debaixo e laterais, nos atentando com as paredes geminadas (encostadas umas nas outras) com vizinhos, caso isso aconteça, o ideal é fazer as quatro paredes com proteção acústica em Dry Wall duplo, lã de 50mm e dupla camada de borrachas anti vibração, pois o som dos graves, que na bateria acústica refere-se ao bumbo e tons, são frequências graves, chamadas de ruído estrutural, e têm a característica de se transmitir enquanto houver continuidade de alvenaria, ou seja, “andam” pelas paredes, teto e piso, assim, não adianta fazer apenas uma parede, pois todas receberão o impacto dessas frequências e atingirão ambientes próximos.

Falando em bateria acústica, orientamos colocar um tablado apropriado de baterias ou um piso acústico a fim de segurar essas frequências graves, impedindo sua transmissão para o piso, que consequentemente atingirá os lugares próximos.

JANELAS

Caso existam janelas na sala, elas deverão ser fechadas com alvenaria (bloco de cimento ou tijolo de barro) ou fechadas com Drywall, caso contrário será necessário uma janela acústica. Vale destacar que dispomos de janelas acústicas de sobrepor, sem a necessidade de retirar a janela existente, portanto, sem modificar a fachada, pois elas são fixadas pelo lado interno da sala, com caixilho em alumínio branco ou na cor natural do alumínio, com vidros duplos ou triplos e com câmera de ar desidratado, para evitar embaçamento.

Drywall instalado em parede com janela, sem alterar a fachada.

Janela acústica de sobrepor, mantendo a mesma fachada.

PORTA

A porta é um ponto primordial no tratamento acústico, para tanto, dispomos de portas acústicas de 25, 30 e 38 dB(A), todas em madeira maciça com uma camada de borrachas anti vibração, a fim de segurar as vibrações de um lado da folha para o outro. Ademais, para se evitar degrau no piso e consequentes tropeções, bem como facilitar a passagem de cadeirantes, colocamos na parte inferior do batente uma guilhotina, que ao abrir a porta fica embutida na folha e ao fechar a porta a guilhotina desce e encosta no chão.

As portas que instalamos dispõem de acabamento externo em seladora, ou são enviadas com fundo primer e compete ao cliente pintar a porta após a instalação.

ABSORÇÃO

Após ser feito o isolamento acústico, deve ser realizada a eliminação da reverberação (ECO).

O teto é o ponto mais importante para eliminar as reflexões do som, e poderá ser feito com revestimento em espuma acústica auto extinguível (que não propaga chama), ou incombustível (que não pega fogo), mas ainda há a opção de usar no teto revestimento em madeira acústica, ou ainda nuvens absorvedoras.

No que se trata de estúdio de ensaio e gravação, uma bateria acústica gera na faixa de 110 decibéis, por isso, além do teto, deve-se ter materiais absorventes nas paredes, podendo ser os mesmos citados para o teto, mas as espessuras ou o tipo de material escolhido deverá ser definido por um especialista em acústica, pois o excesso “matará” o som, tornando o local “surdo” ou ficará aquém do desejado e ainda terá delay a ser corrigido.

Os revestimentos em espuma são ótimos para absorver as frequências iguais ou acima de 400 Hz, abaixo disso, precisamos utilizar os absorvedores próprios para os graves, como os Bass Traps (instalados nos cantos das salas) e os módulos de absorção sonora ou equivalentes.

As portas que instalamos dispõem de acabamento externo em seladora ou com fundo primer, ficando por conta do cliente a pintura final após a instalação.

ORÇAMENTO SEM COMPROMISSO

Você precisa de algum serviço de tratamento acústico? Preencha o formulário e entraremos em contato.